“A Ortodoxia manifesta-se, não dá prova de si”

ok

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Orthofoto

Rússia
autor: Katanaks

Sobre o propósito da partilha de dons, ministérios e vocações

(…) Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério,
para a edificação do corpo de Cristo (Efésios 4:12)


É por isso que o Espírito Santo partilhou os dons, e fez de uns apóstolos, outros profetas, outros evangelistas e, outros pastores e mestres: para que os santos, os fiéis cristãos, se tornassem perfeitos. Assim como em um lar, o serviço e a honra são partilhados, e há o serviço e honra próprios para os pais, honra e serviço próprios a cada filho ou filha adulto e serviço e honra próprios para filhos jovens e servos – e ainda assim todos trabalham juntos para o benefício de todos, assim é na cada de Deus, a Santa Igreja: com cada honra vem um serviço correspondente, e as obras de cada um são benéficas a todos. Assim, o corpo de Cristo, a Santa Igreja de Deus, é construída de forma sábia e gradual. Cada um dos fiéis, assistido pelos outros, cresce e se desenvolve como um membro desse corpo, cresce e se desenvolve em santidade e pureza, e em medidas e proporções correspondentes a todo o grande corpo. O corpo inteiro, do começo ao fim dos tempos — especialmente desde e encarnação de Deus, o Verbo, na terra até ao Temível Julgamento — é a Santa Igreja de Deus. O corpo é digno da imortalidade, a construção é digna de Deus. Os olhos humanos não podem ver de ponta a ponta, e nem a mente humana pode compreender. A construção é feita com materiais selecionados: pedras vivas, olhos e corações, sem dureza ou feiúra, sem corrupção ou mudança. Cada coisa em seu lugar, tudo é mais belo por inteiro e em partes. Aqui está, irmãos, o objetivo da nossa jornada! Aqui está o significado da nossa queimação na fornalha do sofrimento! Aqui está nossa vida, melhor que todos os nossos planos e mais adorável que todos os nossos desejos.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

"Sobre como apenas o tolo nega Deus"

O tolo disse em seu coração: Não há Deus. São corruptos.
Realizam abomináveis obras (Salmo 14: 1).

A mente é o leme do ser inteiro do homem. Aconselha, persuade e guia. Tanto a alma como o corpo agem seguindo a mente. Se a mente está de pé, assim também está todo o homem. Se ela for, entretanto, ímpia diante de Deus, assim o é todo homem. Ainda que se considere meramente a idéia de que “Deus não existe”, essa idéia manifesta-se imediatamente em suas obras. Pensamentos malignos vêem primeiro e más obras seguem-nos inevitavelmente. Vêem quanto o profeta inspirado conhece a natureza do homem? Primeiro, ele analisa a causa, então menciona as conseqüências. Más ações procedem necessariamente de maus pensamentos. Eis por que, irmãos, vós não deveis crer naqueles que proclamam: “Não creio em Deus, mas faço boas obras.” Antes de qualquer coisa, quem não crê em Deus não sabe o que é bom, nem pode diferenciar entre o bem e o mal. Com sua descrença, o homem corta a si mesmo do Deus sumamente maior e Fonte de todo o bem! Além do mais, vamos considerar cuidadosamente isto: você descobrirá que todas as obras dos ímpios são corruptas e odiosas. São corruptos, porque são maus, indignos e transitórios; são odiosos, porque contrariam a vontade do Deus Vivo. Os perversos não conseguem distinguir entre o bem e o mal, pois somente na luz da lei de Deus pode-se saber precisamente o bem e o mal. Por outro lado, não pode acontecer que há quem diga que acredita em Deus, mas fazem obras odiosas e corruptas, reconhecendo Deus em seus lábios e negando-O em suas obras. É salutar confessar Deus com teus lábios, mas você ainda está muito longe de ser o suficiente! Tem que se confessá-Lo com o coração e confirmar sua fé com boas obras. Ainda assim, acontece de um homem crer em seu coração e com os lábios e ainda peca. Isso ocorre tanto por causa da fraqueza de vontade ou das flechas do inimigo. Basta que esse homem se arrependa, ele será perdoado imediatamente. O arrependimento é salvífico com arrependimento. Mas, quem pode ter certeza de que seu tempo continuará além desta noite? Portanto, adiar o arrependimento é uma completa idiotice.

Infinitamente gracioso Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, ajuda-nos a arrependermo-nos, como nos ajudas a respirar.

A Ti, sejam a glória e o louvor eternamente. Amém.

Stº Apóstolo do Senhor TIAGO, o filho de Alfeu, um dos Doze – 9/22 out

Tiago, filho de Alfeu, era um dos Doze Apóstolos. Era irmão de sangue do Apóstolo e Evangelista Mateus. Foi testemunha das verdadeiras palavras e milagres de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, uma testemunha de Seus sofrimentos, Ressurreição e Ascensão. Depois da descida do Espírito Santo em Pentecostes, a sorte que caiu a Tiago foi pregar o Evangelho de Cristo em Euleuterópolis e nas áreas circunvizinhas e, então, no Egito, onde ele sofreu pelo seu Salvador. Com grande poder em palavras e obras, Tiago disseminou as salvíficas boas-novas do Verbo de Deus Encarnado, destruindo a idolatria, expulsando os demônios dos homens, curando toda enfermidade e doença no nome do Senhor Jesus Cristo. Seu zelo e labor foram coroados com grande sucesso. Muitos pagãos vieram a acreditar em Cristo, igrejas foram construídas e organizadas, padres e bispos, ordenados. Tiago sofreu na cidade egípcia de Ostracina, sendo crucificado pelos pagãos. Deste modo, este magnânimo e genial apóstolo de Cristo tomou posse de sua habitação no Reino Celestial, para reinar eternamente com o Rei da Glória.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Grande Festa da Proteção da Santa Mãe de Deus - 01/14 out

Desde tempos imemoriais, a Igreja tem celebrado a Santíssima Mãe de Deus como padroeira e protetora do povo cristão que, por suas orações intercessoras, implora a misericórdia de Deus por nós, pecadores. O auxílio da Santíssima Mãe de Deus tem sido claramente manifesto várias vezes, tanto para indivíduos como para nações, na paz e na guerra, nos desertos monásticos e nas cidades densamente povoadas. O evento que a Igreja comemora e celebra hoje confirma a proteção contínua do povo cristão. No dia 1º. de outubro de 911, no reinado do Imperador Leão, o Sábio, houve uma vigília noturna na Igreja da Mãe de Deus de Blaquerné, em Constantinopla. A igreja estava lotada de gente. Santo André, o Louco por Cristo, estava de pé, no fundo da igreja, com seu discípulo Epifânio. Às quatro da manhã, a Santíssima Mãe de Deus apareceu acima das pessoas, segurando seu omofórion e estendendo-o como um manto protetor sobre os fiéis. Estava vestida em púrpura cravejada de ouro e irradiava-se com um inefável fulgor, rodeada pelos apóstolos, santos, mártires e virgens. Santo André disse ao Bem-aventurado Epifânio: "Vês, irmão, a Rainha e Senhora de tudo rogando por todo o mundo?" Epifânio respondeu: Sim, pai, e estou boquiaberto de espanto!" A Festa da Proteção da Mãe de Deus foi instituída para comemorar esse evento e para nos lembrar que podemos receber em oração a incessante proteção da Santíssima Mãe de Deus em quaisquer momentos de dificuldade.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Orthofoto

A Beleza do Sagrado II - 25 de setembro

"Sobre o único Caminho, Verdade e Vida"

Eu sou o Caminho, e a Verdade e a Vida. Ninguém vem ao Pai, senão por Mim (Jo. 14,6)

Irmãos, essas palavras não foram somente ditas, mas foram embebidas com sangue, confirmadas pela Ressurreição, instiladas pelo Espírito Santo nos corações dos fiéis e comprovadas reiteradamente pela Igreja durante os séculos dos séculos. De todos os tesouros da terra, o que os homens mais amam é a vida – amam-na mais do que à verdade, a despeito de não haver vida sem verdade. Assim, o mais alto bem é a vida, mas a verdade é o fundamento da vida. Quem ama a vida, também tem que amar a verdade. Mas onde está o caminho para a verdade? O Nosso Senhor diz: Eu sou o Caminho. Ele não disse "Eu sou um caminho", para que ninguém pensasse haver um outro caminho para a verdade além do Senhor Jesus. E Ele não é apenas o Caminho, mas também a Verdade e a Vida, para que ninguém pensasse haver alguma outra verdade e alguma outra vida além do Senhor Jesus. Para isso é que Ele nasceu como homem: para mostrar aos homens o caminho. Para isso é que Ele foi crucificado: para marcar o caminho com o Seu sangue. Ninguém vem ao Pai, senão por Mim. Isso se dirige àqueles que enganam a si mesmos pensando que podem conhecer Deus e adquirir o Reino de Deus sem o Senhor Jesus Cristo. Com aquelas palavras o Senhor afastou completamente essa falsa esperança e auto-engano desesperado. O apóstolo que ouviu e escreveu essas palavras no Evangelho as exprimiu em sua Epístola desse modo: Qualquer que nega o Filho, também não tem o Pai (I Jo. 2,23).

Ó Bendito Senhor Jesus Cristo, Fonte de todas as bênçãos, verdadeiramente és para nós o único Caminho, a única Luz, a única Verdade, a única Vida e Vivificador. Reconhecemos-Te perante os homens e os anjos como nosso único Deus e Salvador. Tem piedade de nós e salva-nos.

A Ti sejam a glória e o louvor para sempre. Amém

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Orthofoto

Monte Atos
autor: Darko Terzic

Santas Mártires Sofia e suas filhas, Fé, Esperança e Caridade, de Roma (+ c. 137) - 17/30 set

Todas viveram e sofreram em Roma, durante o reinado do Imperador Adriano. Sofia era sábia, como indica seu nome. Caíra na viuvez e firmara bem a si própria e a suas filhas na fé cristã. Quando a mão perseguidora de Adriano estendeu-se até sobre a virtuosa casa de Sofia, Fé tinha apenas doze anos de idade, Esperança tinha dez anos e Caridade, nove. Trazidas perante o imperador, as quatro seguravam as mãos uma das outras "como uma coroa entretecida"; humilde mas firmemente confessaram sua fé no Cristo Senhor e se recusaram a oferecer sacrifícios ao ídolo pagão de Ártemis. Antes de seus sofrimentos, a mãe exortou as filhas a perseverarem até o fim: "Vosso Noivo Celestial, Jesus Cristo, é a saúde eterna, a beleza inefável e a vida eterna. Quando vossos corpos forem mortos pela tortura, Ele vos revestirá de incorrupção e as chagas de vossos corpos brilharão nos céus como as estrelas." Os torturadores infligiram cruéis torturas a uma de cada vez, primeiro a Fé, depois a Esperança e depois a Caridade. Espancaram-nas, açoitaram-nas, atiraram-nas às chamas e ao piche fervente e, finalmente, degolaram-nas com a espada, uma após a outra. Sofia levou os corpos mortos de suas filhas para fora da cidade e as enterrou honrosamente. Permaneceu em seu túmulo por três dias e três noites, orando a Deus. Em seguida, rendeu seu espírito a Deus, partindo para o Paraíso, onde as almas benditas de suas gloriosas filhas esperavam por ela.


Hino de Louvor
Sofia, toda-sábia, glorificou o Senhor,
Como um sacrifício a Ele, ofereceu três belíssimas filhas.
A suas filhas disse: "Não temais, filhas minhas;
Fortalecei-vos no Cristo, perseverai na Fé,
E não temeis torturas nem infortúnios cruéis.
Não chorais por vossos corpos – melhor é no céu.
Deus vos dará corpos maravilhosos no céu.
Não chorais por vossa beleza – com a beleza divina
Resplendecereis entre os anjos no Reino de Deus,
Como filhas do Rei dos Reis!
Não chorais pela vida – de que vale esta vida terrena?
Não passa de no máximo cem anos.
No céu, a vida sem fim vos aguarda:
Vida sem fim, vida sem início.
Não chorais pela companhia de amigos terrenos,
Pois a companhia dos Santos maravilhosos vos aguarda ali.
Nem a companhia de parentes mundanos vos deve fazer chorar –
Pois vossa parentela, nos céus, são os mártires gloriosos."
Assim a pia mãe instruía as suas santas filhas,
Enquanto, uma a uma, partiam elas para o céu:
Três pombas brancas, inocentes e puras,
Voaram ligeiras para o seio do Cristo.
E com sua alma elevada, sua mãe partiu atrás delas,
E juntou-se a suas filhas gloriosas no Paraíso;
E nosso misericordioso Deus recebe as suas orações.

Tropário
Como uma oliveira carregada dos seus frutos, venerável mártir Santa Sofia, tu cresceste nos átrios do Senhor e, por meio de nobres combates, ofereceste a Cristo o teu fruto mais dôce, as três filhas saídas do teu seio, Vera Esperança e Agápia. Ora com elas em benefício de todos nós.

A Beleza do Sagrado – 25 de setembro

O evento contou com a participação de membros do clero e fiéis das Igrejas ortodoxas antioquina (árabe), russa e grega, assim como estudantes africanos da República do Congo que são fiéis da Igreja de Alexandria (Egito), todos apresentaram amostras dos seus cantos litúrgicos. Tivemos também monges beneditinos que proporcionaram uma breve apresentação de Canto Gregoriano.

A exposição contou com a apresentação de 44 ícones produzidos pelo Atelier São Lucas e de um mosaico de São Jorge.

Inclusa na exposição, uma apresentação visual de todas as fazes da escritura de um ícone. Também estavam disponíveis textos e um cd a respeito da técnica, da história e da teologia do ícone.

D. Chrisóstomo pronunciou uma palestra a respeito de ícones famosos e sobre a pessoa que contempla o ícone.

O evento também proporcionou a oportunidade do público presente conhecer uma recém pintada composição mural, que traz a Santíssima Virgem. Na composição também temos a representação simbólica do prédio de nossa Igreja e de seus arredores que incluem a comunidade e o mar.

Também puderam ser apreciadas a nova pintura e iluminação do prédio da Catedral. E também o trabalho de jardinagem e paisagismo feito pelos próprios fiéis.

A festa contou com um bazar, um bistrô e um espaço infantil.

"Sobre o Senhor Ressuscitado e Vivo, que é a Ressurreição e a Vida"

Eu sou a ressurreição e a vida (Jo. 11,25)

O Senhor Jesus Cristo falou essas santas palavras. Não apenas as falou, como também as comprovou com Seus atos. Ressuscitando a filha de Jairo, o filho da viúva de Naim e o Seu amigo Lázaro, Ele provou que é a ressurreição e a vida, o Ressuscitador e o Vivificante. E mesmo assim Ele as comprovou melhor pela Sua própria Ressurreição dentre os mortos. Pois estar vivo e assim ajudar os mortos eram coisas de que já se ouvira antes. Mas estar morto e enterrado, jazer no túmulo por três dias e dar a vida a si mesmo, isso era inaudito até a Ressurreição de Cristo. É o milagre dos milagres e a prova de um poder acima de qualquer outro poder. Esse milagre foi operado pelo nosso Senhor. O nosso Senhor manifestou esse poder. Logo, verdadeiras são Suas palavras, Eu sou a ressurreição e a vida: verdadeiras, santas e consoladoras para todos nós que viajamos rumo à inescapável morte do corpo e esperamos viver além do túmulo e ver o nosso Senhor Vivo em glória.

Entretanto, o Senhor não é somente o Ressuscitador do corpo mas também o Ressuscitador da alma. Durante Sua vida sobre a terra, ressuscitou apenas uns poucos corpos humanos, mas incontáveis almas -- para demonstrar que a ressurreição da alma é muito mais importante do que a ressurreição do corpo. Quase todas as almas humanas estavam mortas quando Ele veio ao mundo; e Ele ressuscitou inúmeras almas pelo Seu poder e imbuiu nelas a Sua vida. Tanto os judeus quanto os pagãos estavam mortos em alma e Ele avivou a uns e a outros. Meus irmãos, deixemos de lado todas as preocupações com a ressurreição de nossos corpos e batalhemos, enquanto ainda temos tempo, pela ressurreição de nossas almas. Pois se as nossas almas não ressuscitarem e não forem avivadas pelo Cristo ainda sobre a terra, não esperemos nenhum júbilo pela ressurreição de nossos corpos no Dia do Juízo, o Dia da Ira. Pois nessa ocasião os corpos de nossas almas mortas serão ressuscitados, não para a vida, mas para o tormento eterno.

Senhor Jesus Cristo, nossa única ressurreição e vida, ajuda-nos pelo Teu poder e pela Tua misericórdia, para que sejamos ressuscitados e avivados por Ti para a salvação e a vida eterna.

A Ti sejam a glória e o louvor para sempre. Amém

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Grande Festa da Exaltação Universal da Venerável e Vivificante Cruz - 14/27 set

Neste dia, comemoram-se dois eventos relacionados com a Honorável Cruz do Cristo; o primeiro é a descoberta da Honorável Cruz no Gólgota, e o segundo é o retorno da Honorável Cruz a Jerusalém, vinda da Pérsia. Ao visitar a Terra Santa, a santa Imperatriz Helena decidiu encontrar a Honorável Cruz do Cristo. Um idoso judeu de nome Judá era o único que sabia onde estava a Cruz e, pressionado pela Imperatriz, revelou que a Cruz estava enterrada debaixo do templo de Vênus que o Imperador Adriano construíra sobre o Gólgota. A imperatriz ordenou que esse templo idólatra fosse demolido e, ao cavar fundo abaixo dele, descobriu três cruzes. Enquanto a imperatriz refletia sobre como haveria de verificar qual delas era a do Cristo, uma procissão fúnebre passava por perto. O Patriarca Macário disse ao povo para que depusessem as cruzes, uma de cada vez, sobre o morto. Enquanto a primeira e, depois, a segunda cruz foram postas sobre o cadáver, o defunto permaneceu como estava. Quando lhe depuseram a terceira cruz, o morto voltou à vida. Foi assim que descobriram que esta era a Preciosa e Vivificante Cruz do Cristo. Então depuseram a Cruz sobre uma mulher enferma e ela ficou sã. O Patriarca ergueu a Cruz para que todas as pessoas pudessem vê-la, e o povo, entre lágrimas, cantou: "Senhor, tem piedade!" A Imperatriz Helena mandou fazer uma urna de prata e nela dispôs a Venerável Cruz. Tempos mais tarde, o imperador persa Cosroés conquistou Jerusalém, escravizou muita gente e levou a Cruz do Senhor à Pérsia. A Cruz permaneceu na Pérsia por quatorze anos. No ano 628, o Imperador grego Heráclio derrotou Cosroés e, com muita cerimônia, trouxe a Cruz de volta a Jerusalém. Enquanto adentrava na cidade, o imperador Heráclio carregava a Cruz nas costas; mas a certa altura, de repente, não conseguiu dar mais nenhum passo. O Patriarca Zacarias viu um anjo que impedia o imperador de conduzir a Cruz pela mesma trilha em que o Senhor caminhara descalço e humilhado. O Patriarca comunicou essa visão ao imperador. O imperador despiu-se de suas indumentárias e, descalço e em andrajos, tomou a Cruz, carregou-a ao Gólgota e depositou-a na Igreja da Ressurreição, para alegria e consolo de todo o mundo cristão.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

A BELEZA DO SAGRADO II – 25 de setembro de 2010


A Igreja Ortodoxa do Brasil promove no dia 25 de setembro (sábado), a Segunda Edição do evento A Beleza do Sagrado, em Copacabana. O objetivo é difundir a cultura e a arte Ortodoxa, integrar cristãos ortodoxos e não ortodoxos e aproximar as Igrejas Ortodoxas do Rio de Janeiro.

Faz parte do evento a exposição de ícones produzidos pelo Atelier Ortodoxo São Lucas, apresentação de canto litúrgico, venda de artesanato e objetos religiosos, projeção de slides sobre a Arte do ícone, exibição de filmes e palestra sobre iconografia na Tradição Ortodoxa e o significado da imagem sagrada como representação pictórica artística e espiritual do Cristianismo Oriental.

Para quem não conhece a cultura cristã ortodoxa, é uma excelente oportunidade.

O Evento contará ainda também com um bistrô. Terá início às 16:00 hs e término previsto para às 21:00 hs.

Local: Catedral Ortodoxa da Santíssima Virgem Maria
Endereço: Rua Saint Roman 226, Copacabana.
Ingressos: R$ 10,00 (inteira),
Estacionamento com manobrista na garagem ao lado

O Atelier Ortodoxo São Lucas

Festa do Nascimento da Santíssima Mãe de Deus e Sempre Virgem Maria - 08/21 set


A Santíssima Virgem Maria nasceu de pais idosos, Joaquim e Ana. Seu pai provinha da linhagem de Davi, e sua mãe da de Aarão. Deste modo, ela tanto tinha nascimento real por parte do pai quanto sacerdotal por parte de sua mãe. Nestes nascimentos, ela prefigurou Aquele que dela nasceria como Rei e Sumo Sacerdote. Seus pais eram muito velhos e não tiveram filhos, pelo que viviam envergonhados perante o povo e humilhavam-se diante de Deus. Em sua humildade, eles oravam a Deus em lágrimas para que Ele lhes trouxesse esta alegria em sua velhice, dando-lhes um filho, tal como Ele concedera essa alegria, Isaac, ao idoso Abraão e à sua esposa Sara. O Altíssimo Deus, que tudo vê, recompensou-os com uma alegria que ultrapassou todas as expectativas e os mais belos sonhos do idoso casal. Pois Ele lhes concedeu não apenas uma menina, mas a Mãe de Deus. Ele os iluminou não apenas com uma alegria temporal, mas também com a eterna. Deus deu-lhes apenas uma filha, que tempos mais tarde lhes daria um único neto – mas que filha e que neto! Maria, cheia de graça, Bendita és entre as mulheres, Templo do Espírito Santo, Altar do Deus Vivo, Mesa do Pão Celestial, Arca da Santidade de Deus, Árvore do Dulcíssimo Fruto, Glória da Raça Humana, Louvor da Feminilidade, Fonte da Virgindade e Pureza – eis a filha entregue por Deus a Joaquim e a Ana. Ela nasceu em Nazaré e, aos três anos de idade, foi levada ao Templo de Jerusalém. Em sua jovem feminilidade, ela retornou novamente a Nazaré, onde, breve tempo depois, ouviu a Anunciação do Santo Arcanjo Gabriel sobre o nascimento do Filho de Deus, o Salvador do mundo, de seu puríssimo corpo virginal.

Hino de Louvor
Imensamente desejada e longamente esperada,
Ó Virgem, foste obtida do Salvador por lágrimas!
Templo corporal do Santíssimo Espírito, tendes-te tornado,
E hás de ser chamada Mãe do Eterno Verbo.
Ardente Sarça, chamam-te,
Pois recebeste dentro de ti o Fogo Divino:
Inflamada em chamas, mas não consumida,
Gerarás o Dourado Fruto e oferecê-Lo-á ao mundo.
Serás a Portadora d'Aquele Que porta os céus,
A Quem, todos no céu levantam louvores!
Milagre dos milagres passar-Se-á dentro de ti,
Pois trouxeste o céu, tu que és "mais vasta do que os céus!"
És-nos a mais preciosa, ó Virgem, mais do que preciosas pedras,
Pois tu és a fonte de salvação da humanidade.
Por isso, que o universo Te glorifique,
Ó Santíssima Virgem, ó Alva Pomba!
O Rei dos Céus deseja entrar no mundo,
E passará por ti, ó Belíssimo Portal!
Ó Virgem, quando te tornares mulher gerará Cristo por nós;
De teu corpo, o Sol raiará.
Tropário da Natividade, t.4
O teu Nascimento, ó Puríssima Virgem, anunciou a alegria a todo o Universo, pois de ti nasceu o Sol de Justiça, o Cristo nosso Deus que, levantando a maldição, nos abençoou e, destruindo a morte, nos deu a Vida Eterna.
Kondakion da Natividade, t.4
Com o teu Nascimento, ó Puríssima Mãe, Joaquim e Ana libertaram-se da desonra da esterilidade, Adão e Eva da corrupção e da morte. O teu povo, também liberto da escravidão do pecado e que hoje festeja o teu Nascimento, exclama: “Aquela que era estéril deu à luz a Mãe de Deus e nossa Mãe”.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Ortophoto

Polônia
autor: Arkadiusz

"Sobre o Verbo de Deus revelado na carne"

E o Verbo Se fez carne (João 1:14)

Aqui, irmãos, temos um novo, bendito e salvífico princípio – o princípio de nossa salvação. Adão esteve na carne, quando ele caiu sob a autoridade do pecado e da morte. Agora, o Criador de Adão apareceu na carne, para libertar a posteridade deste do poder do pecado e da morte. O Filho de Deus – o Verbo, a Sabedoria, a Luz e a Vida – desceu ao meio dos homens na carne humana e com uma alma humana. Ele Se encarnou, mas não Se separou de Sua Divindade. Ele desceu sem separar-Se de Seu Pai. Ele reteve consigo tudo o que Ele tinha sido e seria por toda a eternidade e, ainda assim, Ele recebeu algo novo: a natureza humana. Seus eternos atributos não foram diminuídos pela Encarnação, nem foi modificada Sua relação com o Pai e com o Espírito Santo. Vejam, o Pai testificou disso tanto no Jordão quanto no Monte Tabor: Este é o Meu Filho amado! Ele não disse: "Este foi o Meu Filho", mas "Este é o Meu Filho". O Espírito Santo esteve com Ele em Sua concepção corporal e por toda Sua missão sobre a terra. As naturezas divina e humana uniram-se n'Ele, mas não se mesclaram. Como? Não indague, você nem sequer sabe como explicar sobre você a você mesmo e nem sequer dizer como sua alma e seu corpo estão unidos em você. Apenas saiba disto: Deus veio visitar a terra, trazendo inefáveis tesouros valiosos para a humanidade – presentes reais, dons incorruptíveis, eternos, insubstituíveis e inegociáveis. Saiba disto e deixe seu coração dançar de alegria. Lute para limpar suas mãos, purificar seus sentidos, lavar sua alma, alvejar seu coração e vigiar sua mente, para que você receba os dons reais. Pois, eles não são dados aos impuros.

Senhor Jesus Cristo, ajude-nos a purificar-nos e lavar-nos pelo Teu Sangue e pelo Teu Espírito, para que possamos tornar-nos dignos de Teus dons reais.

A Ti, glória e louvor para sempre. Amém.

Hieromártir Antímio - 03/16 set


Ele nasceu em Nicomédia e foi criado, desde a infância, como um verdadeiro cristão. "Seu corpo foi mortificado, seu espírito humilhado, sua inveja arrancada, sua raiva subjugada, sua indolência banida... Ele tinha amor por todos, paz com todos; era prudente com todos, sincero com todos e zeloso pela glória de Deus." Não espanta que um homem dotado de tantas virtudes fosse designado bispo. Santo Antímio governou como Bispo de Nicomédia durante a terrível perseguição aos cristãos sob os execráveis Imperadores Diocleciano e Maximiano. Derramaram-se rios de sangue de cristãos, especialmente em Nicomédia. Certo ano, na Festa da Natividade de Cristo, vinte mil mártires foram queimados até a morte numa igreja. Este fato ocorreu na época do episcopado de Antímio. Mesmo assim, a perseguição não terminou com o martírio, mas continuou com muitos cristãos sendo lançados à prisão, aí mantidos para torturas e morte. Santo Antímio partiu para a vila de Semana, não porque fugisse da morte, mas para que ninguém apostatasse por medo. Uma de suas cartas aos cristãos aprisionados foi interceptada e entregue ao imperador Maximiano. Por sua vez, o imperador despachou vinte soldados a fim de encontrarem Antímio e trazerem-no ao imperador. O clarividente ancião de cabelos brancos saiu para encontrar-se com os soldados, levou-os para sua casa, tratou-os como hóspedes e somente então revelou que era Antímio, a quem procuravam. Os soldados, estupefatos pela gentileza de Antímio, sugeriram-lhe que ele se escondesse e disseram que informariam ao imperador que não o encontraram. Mas, Antímio respondeu que não transgrediria o mandamento de Deus contra a mentira para salvar sua vida e, assim, partiu com os soldados. Pelo caminho, todos os soldados passaram a acreditar em Cristo e foram batizados por Antímio. O imperador o torturou impiedosamente e por muito tempo o ancião e decapitou-o com um machado. Ele glorificou o Senhor e partiu para seu repouso no princípio do quarto século.

Hino de Louvor
Santo Antímio encorajou seu rebanho:
"Filhos meus, meus amados filhos,
Portadores do fardo de Cristo,
Agora chegou o tempo da grande renúncia,
Ó soldados do Cristo Crucificado,
Que gloriosamente ressuscitou dos mortos!
Agora é tempo de cruel perseguição;
Agora é o momento de provação e paciência;
Pois está pronta a colheita dos soldados.
Há coroas radiantes sobre vós:
Não temeis os sombrios executores,
Pois o poder dos homens não dura para sempre,
Mas o de Deus dura pelos séculos dos séculos.
Bem-aventurado aquele que teme a Deus!
Suas lágrimas serão enxugadas
Nos céus, pelas mãos dos anjos;
Vossas feridas serão curadas
Nos céus, pelo bálsamo espiritual.
Em vida, transformar-se-á a morte!
O aflito será coroado com lírios!
Breves torturas, bênçãos eternas,
Meus filhos queridos, não temeis."

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

"Sobre o Verbo, Filho de Deus"

No princípio, era o Verbo (João 1:1)

O Logos – racional e inteligível Verbo - existia no princípio. Isso pertence à Natureza Divina de nosso Senhor Jesus Cristo. Irmãos, ao dizermos No princípio, achamos que o Verbo de Deus teve um princípio? Ou, houve certa data no tempo em que o Filho de Deus nasceu de Deus Pai? De jeito nenhum! Pois, o nascimento do Filho de Deus traz nem uma data nem um princípio, já que o tempo é uma condição deste mundo transitório e não afeta o Deus Eterno, logo afetando nada que seja de Deus. Pode o sol continuar sendo sol, se o seu brilho deixá-lo? Pode um homem continuar sendo homem se seu intelecto lhe for tirado? Pode o mel ser ainda mel se a doçura separar-se dele? Não pode. Muito menos ainda pode-se conceber Deus como separado de Seu Logos, de Seu Verbo racional, de Sua inteligência, de Sua sabedoria: o Eterno Pai separado de Seu Filho co-Eterno.

Não, irmãos, aquelas palavras não se referem ao princípio do Filho de Deus a partir de Deus Pai, mas sobre o início da história do mundo criado e a salvação da humanidade. Este princípio está no Verbo de Deus, no Filho de Deus. Ele deu o início tanto à criação do mundo como a salvação do mundo. Quem quer que fale da criação dos mundos visível e invisível ou da salvação da humanidade tem que começar com o Princípio. E este Princípio é o Verbo de Deus, a Sabedoria de Deus, o Filho de Deus. Por exemplo, se alguém contasse uma história sobre navegar numa lagoa, poderia começar assim: "No começo, havia um lago e, sobre ele, navegava um canoa branca..." Nenhuma pessoa sensata interpretaria as palavras "No começo, havia um lago..." como se o lago viesse à existência no mesmo dia em que a canoa navegava sobre ele. Do mesmo modo, nenhuma pessoa racional pode tomar as palavras do Evangelista, No princípio era o Verbo como se o Verbo de Deus fosse gerado por Deus no mesmo momento em que o mundo foi criado! Tanto como o lago existia centenas de anos antes de a canoa navegar sobre ele, assim existia por toda eternidade o Verbo de Deus antes da criação do mundo.

Filho de Deus, co-Eterno com o Pai e o Espírito Santo, ilumina-nos e salva-nos.

A Ti, sejam a glória e o louvor para sempre. Amém.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Ortophoto

Bulgária
autor: Boris Nikolaev

COMEÇO DA INDICÇÃO – NOVO ANO ECLESIÁSTICO - 01/14 setembro

O Primeiro Concílio Ecumênico (Nicéia, 325) decretou que o ano eclesial começasse em 1º. de setembro. Para os antigos hebreus, o mês de setembro era o início do ano civil (Êxodo 23:16), mês de realizar-se a colheita e de ofertar ações de graças a Deus. Foi na ocasião desta festa em que o Senhor Jesus entrou numa sinagoga em Nazaré (Lucas 4: 16-21), abriu o livro do Profeta Isaías e leu as palavras: O Espírito do Senhor repousa sobre Mim para pregar boas-novas aos humildes; enviou-me para reerguer o angustiado, proclamar a liberdade aos cativos, abrir a prisão aos aprisionados e proclamar um ano da graça do Senhor, o dia da vingança de nosso Deus e confortar todos os aflitos (Isaías 61: 1-2).

O mês de setembro também é de suma importância para a história do Cristianismo, porque o Imperador Constantino, o Grande, derrotou Maxêncio, inimigo da fé cristã, em setembro. Após a vitória, Constantino conferiu liberdade de confissão à Fé Cristã em todo o Império Romano. Por muito tempo, o ano civil do mundo cristão seguia o ano eclesial com o início em 1º de setembro. Mais tarde, o ano civil foi modificado, transferindo seu começo para 1º de janeiro. Primeiramente, a mudança ocorreu na Europa Ocidental e, tempos mais tarde, na Rússia, sob Pedro, o Grande.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Degolação de São João Profeta, Precursor e Batista do Senhor - 29ago/11set


Herodes Antipas (filho do Herodes, que matou as crianças de Belém, na época do nascimento de Cristo) era governante da Galiléia, quando João, o Batista, estava pregando. Ele era casado com a filha de Aretas, um príncipe árabe. Mas, Herodes, um rebento maligno de uma raiz maldita, largou sua legítima esposa e infidedignamente tomou Herodias como sua concubina. Herodias era a esposa de seu irmão Felipe, que anda vivia. João, o Batista, levantou-se contra esta depravação e firmemente denunciou Herodes, que, por sua vez, lançou João à prisão. Durante um banquete em sua corte em Sebastia, na Galiléia, Salomé (filha de Herodias e Felipe) dançou diante dos convidados. Herodes, bêbado por causa do vinho, ficou tão inebriado pela dança que prometeu a Salomé qualquer coisa que ela lhe pedisse, até que fosse a metade seu reino. Persuadida por Herodias, ela pediu a cabeça de João, o Batista. Herodes, então, deu ordens aos guardas, João foi decapitado na prisão, e sua cabeça foi dada de presente a ela num prato. Os discípulos de João levaram o corpo de seu mestre à noite e honrosamente o enterraram, mas Herodias perfurou várias vezes a língua de João com um prego e enterrou sua cabeça num lugar impuro. O que veio a acontecer, mais tarde, à cabeça de João, o Batista, pode ser lido em 24 de fevereiro. Entretanto, a punição divina rapidamente caiu sobre o grupo de malfeitores. Príncipe Aretas, vingando-se da honra da filha, declarou guerra com seu exercito contra Herodes e derrotou-o. Derrotado, Herodes foi sentenciado pelo César Romano, Calígula, ao exílio (a princípio na Gália, mais tarde na Espanha). Herodes e Herodias viveram em extrema pobreza e humilhação no exílio, até que a terra abriu-se e engoliu-os. Salomé veio a ter uma terrível morte no Rio Sicaris (Sula) (veja “Reflexão” abaixo). A decapitação de São João ocorreu bem antes da Páscoa, mas estabeleceu-se sua celebração em 29 de agosto, porque uma igreja que havia sido construída sobre seu túmulo em Sebastia (pelo Imperador Constantino e a Imperatris Helena) foi consagrada em 29 de agosto. As relíquias dos discípulos de São João, o Batista – Eliseu e Audius – também foram depositadas nesta igreja.

Hino de Louvor
Ó São João, admirável Precursor,
Foste o Precursor do Glorioso Salvador,
Tua pureza tocou as almas humanas
E ressoou qual temível trombeta desde o Jordão.
Despertando os homens do sono e do vício da indolência,
Quando o machado estiver fincado à raiz da árvore.

A ti, eu me curvo; a ti, eu oro:
Ajuda-me a resistir a todos os ataques.
Ó mais poderoso de todos os profetas, a ti eu me curvo,
E, diante de ti, ponho-me de joelhos; diante de ti, eu rogo:
De teu coração, concede-me a força de um leão;
De teu espírito, concede-me o testemunho angélico.

Concede-me tua força, para que pela prática eu possa obter
Submissão a Deus e auto-controle,
Ser batizado pelo jejum, purificado pelas vigílias,
Adocicado pela oração e pela vista celestial;
Encarar qualquer martírio sem temor,
Com tua coragem e inabalável fé.

Ó São João, homem de Deus,
Glorioso Mártir da suprema justiça:
É a ti que os iníquos exércitos temem.
Não deixes de ouvir minha oração,
Para que eu possa apresentar-me, como uma verdadeira vela,
Diante do Senhor.

Reflexão
Se você observar a maneira em que uma pessoa morre, você descobrirá que a morte de um homem geralmente se assemelha a seu pecado: Pois todo aquele que tomar da espada pela espada morrerá (Mateus 26:52). Todo pecado é como uma faca, e os homens frequentemente são mortos pelo pecado que eles mais prontamente cometem. Um exemplo disso é o de Salomé – a tola filha de Herodias – que pediu e recebeu a cabeça de João Batista numa tigela. Vivendo na cidade espanhola de Lérida, com Herodes e Herodias exilados, Salomé cruzou, um dia, o rio congelado de Sicaris. O gelo, entretanto, quebrou, e ela afundou até a altura do pescoço. Fragmentos de gelo começaram a cercar seu pescoço, enforcando-a, e ela lutava sacudindo os pés na água, como certa vez ela dançara na corte de Herodes. Ela nem sequer conseguia erguer-se da água nem afundar, até que uma lâmina de gelo cortou-lhe a cabeça. A correnteza levou o corpo embora, mas sua cabeça foi levada a Herodias numa tigela, como outrora foi trazida a cabeça de João, o Batista. Observem o quão terrível uma morte assemelha-se ao pecado cometido.

Tropário, t. 2
A memória do justo é acompanhada de elogios, mas a ti Precursor, é suficiente o testemunho do Senhor; verdadeiramente te mostraste como o maior de todos os Profetas; tu foste digno de batizar nas águas do Jordão Aquele que eles haviam apenas anunciado; sobre a terra lutaste pela verdade, até nos Infernos, cheio de alegria, tu anunciaste o Deus manifestado na carne, que tira o pecado do mundo e nos concede a graça da salvação.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Orthofoto

Georgia
autor: Paata Vardanashvili

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Grande Dodeca-Festa da Dormição da Santíssima Mãe de Deus e Sempre Virgem Maria - 15/28 ago



O Senhor, Que no Monte Sinai, declarou o Quinto Mandamento, Honrará teu pai e tua mãe, mostrou com o próprio exemplo que se deve respeitar os pais. Pendurado na Cruz, em agonia, Ele Se lembrou de Sua Mãe e, apontando ao Apóstolo João, Ele Lhe disse: Mulher, eis o Teu filho. Depois disto, Ele disse a João: Eia a tua Mãe. E assim, cuidando de Sua Mãe, Ele deu o último suspiro. João possuía uma casa no Monte Sião, em Jerusalém, na qual, então, a Teotokos passou a morar. Ela morou lá até o fim de Seus dias sobre a terra. Com suas orações, gentil acompanhamento, humildade e paciência, ela imensamente assistiu os apóstolos do Filho. Ela passou a maior parte de sua vida restante sobre a terra em Jerusalém, geralmente visitando os lugares que A faziam lembrar dos grandes momentos e das grandes obras do Filho. Ela visitava especialmente o Gólgota, Belém e o Monte das Oliveiras. Já de Suas poucas viagens mais distantes, está registrada Sua visita a Santo Inácio, o Portador de Deus, em Antioquia; assim como Sua visita a Lázaro (aquele que o Senhor ressuscitou no quarto dia), Bispo de Chipre. Ela também visitou Monte Atos, que Ela abençoou; e Ela permaneceu em Éfeso com São João, o Evangelista, na época da grande perseguição aos cristãos em Jerusalém. Em Sua idade avançada, Ela geralmente orava a Seu Senhor e Deus no Monte das Oliveiras, o local da Ascensão, para que Ele A levasse deste mundo o mais breve possível. Numa dessas ocasiões, o Arcanjo Gabriel apareceu-Lhe e revelou-Lhe que Ela repousaria dentro de três dias. O anjo deu-Lhe uma ramo de palmeira, que deveria ser levado na procissão fúnebre d’Ela. Ela voltou para casa com grande alegria, trazendo em Seu coração a esperança de reencontrar os Apóstolos do Filho mais uma vez nesta vida. O Senhor realizou Seu desejo, e os apóstolos, trazidos pelos anjos nas nuvens, reuniram-se na casa do Monte Sião. Com imensa alegria, Ela os reencontrou, encorajou-os, aconselhou-os e confortou-os. Então, Ela, pacificamente, entregou Sua alma a Deus sem dores nem sofrimento físico. Os apóstolos conduziram-Na em Seu caixão, do qual exalava uma fragrância celestial. E, na companhia de muitos cristãos, carregaram o caixão ao Jardim do Getsêmani, ao sepulcro de Seus pais, Santos Joaquim e Ana. Pela Providência Divina, a procissão foi cancelada por uma turba de ímpios judeus. Mesmo quando Afitônio, um sacerdote judeu, agarrou o caixão a fim de virá-lo, um anjo de Deus prendeu-lhe as duas mãos. Ele, por sua vez, clamou aos apóstolos por ajuda e foi curado, declarando sua fé no Senhor Jesus Cristo. O Apóstolo Tomé estava ausente – novamente, por Divina Providência – a fim de que um novo e gloriossíssimo mistério da Santa Teotokos fosse revelado. Tomé chegou apenas no terceiro dia e desejou venerar o corpo da Santa Puríssima. Porém, quando os apóstolos abriram o sepulcro, eles encontraram somente o sudário. O corpo não estava mais no túmulo! Naquela noite, a Teotokos, cercada pelo exército de anjos, apareceu aos apóstolos e disse-lhes: “Regozijai-vos! Eu estarei convosco para sempre.” Quanto à idade da Teotokos na ocasião de Sua Dormição, não se sabe exatamente, mas a opinião geral é a de que Ela ultrapassava os sessenta anos de idade.

Hino de Louvor
Assim falou o Pontentíssimo Senhor:
“De Teu coração, Virgem Pura,
Correrá água viva,
Os sedentos beberão Cristo.”
Ó Fonte doadora de vida,
Nós todos Te exaltamos!

Os sedentos beberão Cristo.
Por Ele, o amargo se torna doce;
Por Ele, a dor dos angustiados é sanada.
Ó Fonte doadora de vida,
Nós todos Te exaltamos!

Doce bebida jorrada da eternidade,
Córrego que inunda nossa árida idade,
Mais uma vez, aos Céus, elevada,
Nosso mundo ressequido refresca-se.
Ó Fonte doadora de vida,
Nós todos Te exaltamos!

Glória a Ti, Puríssima!
Glória a Ti, Mãe de Deus!
Geraste para nós o Cristo Vivente,
A Água Viva da graça!
Ó Fonte doadora de vida,
Nós todos Te exaltamos!

Reflexão
Cada fiel pode aprender alguma coisa – de fato, muita coisa – a partir da vida da Virgem Teotokos. Eu queria mencionar duas coisas. Primeiro, Ela frequentemente ia ao Gólgota, ao Monte das Oliveiras, ao Jardim do Getsêmani, Belém e aos outros lugares que ainda traziam a fragrância de Seu Filho. Ela orava de joelhos em todos esses lugares, especialmente o Gólgota. Deste modo, Ela deu o primeiro exemplo e ímpeto aos fiéis a visitarem os santos lugares por amor Àquele Que, por Sua presença, paixão e glória, tornou esses mesmos lugares santos e significantes. Também, aprendemos como Ela orava por uma breve partida desta vida, para que, quando se separasse de Seu corpo, Sua alma não encontrasse o príncipe da escuridão, seus horrores; e, escondido das regiões tenebrosas, Ela não visse a punição dos enegrecidos pelo pecado. Vês o quanto é terrível para a alma atravessar as Mansões de Provação? Se Ela – que deu a luz ao Destruidor do Hades e que possuía tremendo poder sobre os demônios – assim orava, o que nos resta, então? Por extrema humildade, Ela Se entregou a Deus e não confiou em Suas próprias obras. Portanto, muito menos devemos confiar em nossas obras e mais ainda entregarmos às mãos de Deus, clamando por Sua misericórdia, especialmente no momento em que alma partir do corpo.

Tropário, t.2
Conservando intacta a glória da tua virgindade, tu deste à luz o Verbo de Deus. Na tua Dormição, tu não abandonaste o mundo, ó Mãe de Deus. Tu te juntaste a Fonte da vida, tu que concebeste o Deus vivo, e que pelas tuas orações resgatas as nossas almas da morte

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Grande Dodeca-Festa da Transfiguração de Nosso Senhor Deus e Salvador Jesus Cristo – 06/19 ago


No terceiro ano de Sua pregação, com bastante freqüência o Senhor Jesus falava aos seus discípulos sobre Sua paixão próxima, como também de Sua glória que se seguiria ao Seu sofrimento na Cruz. Para que Sua inevitável paixão não desolasse completamente Seus discípulos e para que ninguém desviasse d’Ele, Ele, o Todo-Sábio, queria mostrar-lhes uma porção de sua divina glória antes de Sua paixão. Por esta razão, Ele tomou consigo Pedro, Tiago e João e, à noite, foi ao Monte Tabor, onde Ele foi transfigurado diante dos discípulos. Sua face reluziu como o sol, e suas vestimentas tornaram-se brancas como a luz (Mateus 17:2). Moisés e Elias, os grandes Profetas do Antigo Testamento, também Lhe apareceram. Vendo isto, Seus discípulos ficaram estupefatos. Pedro disse: Senhor, é bom estarmos aqui! Se desejares, façamos aqui três tendas: uma para Ti, uma para Moisés e outra para Elias (Mateus 17:4). Pedro ainda falava, quando Moisés e Elias partiram, e uma nuvem luminosa envolveu o Senhor e Seus discípulos. Da nuvem, provinha uma voz que dizia: Este é o Meu Filho bem-amado, em quem Me comprazo; escutai-O (Mateus 17:5). Ouvindo à voz, os discípulos caíram com face por terra, como mortos, e permaneceram neste estado, prostrados de medo, até que o Senhor chegou a eles e disse: Levantai e não tende medo (Mateus 17:7). Por que o Senhor levou somente três discípulos, e não todos, ao Tabor? Porque Judas não era digno de contemplar a divina glória do Mestre, quem ele trairia; e o Senhor não o queria sozinho no sopé da montanha, para que o traidor não justificasse sua traição por causa disso. Por que Se transfigurou Nosso Senhor numa montanha e não num vale? Para ensinar-nos duas virtudes: amor ao trabalho e pensamentos santos – pois escalar ao alto requer esforço, e as próprias alturas representam a elevação de nossos pensamentos às coisas de Deus. Por que Nosso Senhor transfigurou-Se à noite? Porque a noite é bem mais adequada do que o dia para a oração e aos bons pensamentos; e a noite, com sua escuridão, oculta toda a beleza da terra e revela a beleza dos céus estrelados. Por que Moisés e Elias apareceram? A fim de destruir a falácia judia de que Cristo era um dos profetas – Elias, Jeremias ou outro. Eis porque Ele apareceu como Rei, acima dos profetas, e Moisés e Elias como servos. Até este momento, nosso Senhor manifestou Seu poder aos discípulos em muitas ocasiões, mas, no Monte Tabor, Ele manifestou Sua natureza divina. A visão de Sua Divindade e o ouvir do celestial testemunho de ser Ele o Filho de Deus deveriam servir aos discípulos nos dias da paixão do Senhor – no fortalecimento de uma fé inabalável n’Ele e na Sua vitória final.

Reflexão
Por que Nosso Senhor, no Tabor, não manifestou Sua divina glória a todos os discípulos, ao invés de apenas três deles? Primeiro, Ele Mesmo concedeu a Lei pela boca de Moisés: Pela boca de duas ou três testemunhas, estebelecer-se-á a questão (Deuteronômio 19:15). Deste modo, três testemunhas são suficientes. Estas três testemunhas representam as três principais virtudes: Pedro – a Fé, pois ele foi o primeiro a confessar sua fé como o Filho de Deus; Tiago – a Esperança, pois com a fé na promessa de Cristo, ele foi o primeiro que renegou sua vida pelo Senhor, sendo o primeiro a ser morto pelos judeus; João – o Amor, pois ele repousou a cabeça sobre o peito do Senhor e permaneceu ao pé da Cruz do Senhor até o fim. Deus não é chamado o Deus de muitos, mas o Deus dos escolhidos. Eu sou o Deus de Abraão, de Isaac e Jacó (Êxodo 3:6). Muitas vezes, Deus valorizou um simples fiel do que uma nação inteira. Assim, em muitas ocasiões, desejou Ele destruir a nação judaica inteira, porém – pelas orações do justo Moisés – Ele poupou a nação, para que esta pudesse existir. Deus atentou mais ao fiel Profeta Elias do que a todo o reino incrédulo de Acab. Em atenção às orações de um único homem, Deus salvou cidades e povos. Por conseguinte, a cidade pecadora de Ustiug seria eliminada pelo fogo e granizo, se não fosse salva pelas orações do único homem justo que nela residia, São Procópio, o Loco-por-Cristo (8 de Julho).

Tropário, t.7
Ó Cristo, nosso Deus, que Te transfiguraste sobre o monte Tabor, mostrando a Teus discípulos a Tua glória, tanto quanto lhes era possível contemplá-la, faz brilhar também sobre nós pecadores a Tua Luz eterna, pelas orações da Mãe de Deus. Glória a Ti, Senhor, que nos fizeste ver a verdadeira Luz!

Kondakion, t. 7
Ó Cristo, nosso Deus, Tu Te transfiguraste sobre o monte, mostrando a Teus discípulos a Tua glória, tanto quanto lhes era possível contemplá-la, a fim de compreenderem, quando Te vissem crucificado, que aceitaste livremente a Tua Paixão e anunciarem ao mundo que Tu és verdadeiramente o esplendor

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Ortophoto

Rússia
autor: Hongor

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Os Santos Apóstolos Pedro e Paulo – 29 de junho/ 12 de julho


No tempo após o Pentecostes consideramos algumas festas liturgicamente secundárias. Voltemos agora às três grandes festas deste período. A primeira pela data (29 de junho/12 de julho) é a dos Apóstolos Pedro e Paulo. Existe um estreito laço espiritual entre esta festa e a do Pentecostes, pois o testemunho dos apóstolos é o fruto direto da descida do Espírito Santo sobre eles. A importância da festa de São Pedro e São Paulo no ciclo litúrgico bizantino é indicada pelo fato de uma quaresma especial - chamada de “quaresma dos apóstolos” - prepara os fiéis para esta solenidade. Este período de jejum começa na 2ª feira que se segue ao 1º domingo após o Pentecostes e termina no dia 28 de junho/11 de julho.

“Exaltemos Pedro e Paulo, estes dois luzeiros da Igreja pois eles brilham no firmamento da fé...” Assim cantamos nas vésperas da festa, na noite de 28 de junho. Nas matinas como nas vésperas os hinos parecem partilhar igualmente o louvor entre os dois apóstolos, a quem nos dirigimos um a cada vez. Entretanto o evangelho lido nas matinas trata especialmente sobre o apóstolo Pedro. Aí ouvimos nosso Senhor (Jo. 21,14-25) perguntar três vezes a Pedro: “Tu me amas?”. Na primeira vez Jesus diz: “Tu me amas mais do que estes?” Três vezes Pedro responde com uma humildade às vezes triste e às vezes chorosa: “Sim, Senhor, Tu sabes que Te amo”. E três vezes Jesus lhe diz para apascentar o rebanho do Bom Pastor: “Apascenta os meus cordeiros... apascenta as minhas ovelhas...” Depois Jesus prediz a Pedro de maneira velada “o gênero de morte pelo qual Pedro devia glorificar a Deus”. Este evangelho tem duas coisas para nos dizer. Primeiro, coloca claramente a pergunta única, pergunta que temos e que teremos que responder: “Tu me amas?” Tudo, na vida cristã, se reduz a esta pergunta. Podemos nós responder como Pedro: “Sim, Senhor, Tu sabes que Te amo?” Não seriam nossas ações um lamentável desmentido desta afirmação? Entretanto responder simplesmente que não amamos o Senhor seria desconhecer e sufocar as aspirações - por mais fracas que sejam - que o Espírito Santo põe em nossos corações e dirige para Cristo. Digamos, então, a Jesus: “Senhor, Tu sabes tudo, Tu sabes que Te amo. Não espero nada de mim; espero tudo da Graça”. O segundo ensinamento dado por este evangelho concerne a natureza da autoridade na Igreja. O Senhor confere aqui a Pedro uma autoridade especial. Percebemos primeiro que esta autoridade está fundamentada sobre uma primazia do amor - “tu me amas mais do estes?” - e em seguida que ela consiste em um serviço humilde e desinteressado - “apascenta minhas ovelhas...”. Entre cristãos toda preeminência que não for uma preeminência de amor e de serviço não corresponde às intenções de nosso Senhor. Toda autoridade que, na Igreja, se expressasse em termos de prestígio ou de posse material ou de domínio tornar-se-ia estranha e hostil à solicitude verdadeiramente pastoral à qual Jesus chama Pedro para participar. Sobre estas palavras do Senhor a Pedro serão julgados todos aqueles que reivindicam uma autoridade no seio da comunidade dos fiéis.

A liturgia de 29 de junho/ 12 de julho manifesta, pelos textos que nos faz ouvir, o quanto o ministério de Pedro e o de Paulo são todos dois necessários e complementares. O evangelho (Mt.16,13-19) contém a confissão de Pedro em Cesaréia de Filipos: “Tu és o Cristo, Filho de Deus vivo...” e a resposta de Jesus: “Tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei minha Igreja, e as Portas do Inferno não prevalecerão contra ela. E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”. Este texto levantou muitas controvérsias. Mas permanece certo que Jesus quis reconhecer e sancionar pela concessão de um poder espiritual eminente, o ato de Fé que Pedro acabava de formular. A epístola (2Co.11,21-12;9) - da qual ouvimos a maior parte no 19º domingo após o Pentecostes - enumera os títulos de Paulo, chamado diretamente ao apostolado por Cristo, foi considerado como igual ou mesmo superior em autoridade aos ministros do Evangelho já regularmente instituídos e reconhecidos: “Eles são ministros de Cristo?...Eu, mais do que eles...” Paulo fundamenta esta afirmação de um lado pelos sofrimentos que enfrentou, de outro pelas graças e revelações que lhe foram concedidas. Um estudo atento das relações dele com os Onze pode ensinar-nos muito sobre a questão da autoridade na Igreja. Paulo nunca levantou-se contra o elemento institucional representado pelo apostolado “histórico” dos Onze. Ele recebeu a imposição de mãos daqueles que já eram reconhecidos como possuindo o Espírito Santo. Ele submeteu à aprovação da Igreja reunida em Jerusalém seus próprios métodos de apostolado. Mas jamais admitiu nem que sua vocação extraordinária fosse inferior à vocação normal dos outros apóstolos, nem que seu conhecimento de Cristo, todo espiritual e recebido pela graça, fosse menor que o conhecimento que tinham de Jesus os seus primeiros discípulos; nem que ele devesse sacrificar suas próprias convicções face ao mais autorizado dos apóstolos: “quando Cefas veio a Antioquia, resisti-lhe em face, porque ele estava errado”. Quanto mais a Igreja for dominada pelo Espírito Santo, mais ela ultrapassará toda tensão entre autoridade regularmente adquirida e a liberdade espiritual. Uma síntese deve estabelecer-se entre a tradição e a inspiração. Pedro e Paulo não podem ser separados; e é por isso que a Igreja os comemora no mesmo dia. Digamos com ela: “Rejubila, ó Apóstolo Pedro, tu, o grande amigo do Mestre, Cristo nosso Deus. Rejubila bem amado Paulo, pregador da fé e doutor do universo. Por isso, intercedei junto a Cristo nosso Deus pela salvação de nossas almas”.

A Igreja quer associar todos os outros apóstolos à homenagem que ela presta a Pedro e Paulo. Assim, no dia 30 de junho, ela dedica à comemoração coletiva dos Doze. Como diz o Kondakion do dia: “... comemorando hoje a sua memória, nós glorificamos Aquele que os glorificou”.
Tropário dos Apóstolos, t. 4
Príncipes dos divinos Apóstolos e doutores do Universo, intercedeis junto do Mestre Universal para que ao mundo Ele dê a Paz e que conceda às nossas almas a graça da salvação.
Kondákion dos Apóstolos, t. 2
Os infalíveis pregadores da palavra de Deus, os Corifeus dos teus Apóstolos, Senhor, encontraram junto de ti o lugar do seu repouso, no usufruto dos Teus bens, pois Tu acolheste os seus sofrimentos e suas mortes melhor que outra oferenda das primícias da terra, Tu, O único que pode ler o coração dos homens.
Extraído de “L’An de Grace du Seigneur” - Ed. du Cerf, 1988
Boletim Interparoquial, Julho de 2002

terça-feira, 6 de julho de 2010

OrtoPhoto

Igreja de São Nectários, em Faliraki, Rhodos, Grécia
autor: alik

terça-feira, 8 de junho de 2010

OrtoPhoto

Bulgária
Autor: Damianka

A Água e a Luz do Mundo (Jo. 7:37 – 8:12)

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Amados irmãos.

No Evangelho que acaba de ser proclamado, nosso Senhor afirma “Se alguém tem sede, venha a mim” e se tornará a fonte de “rios de água viva”. E depois diz “Eu sou a luz do mundo”. Ele escolheu esses dois elementos, a água e a luz, não por acaso, mas porque, na terra, sem esses dois elementos, a vida é impossível.

A nossa vida, a vida de todos os seres vivos deste planeta, depende da água e depende da luz. Mas quando Cristo usa a água e a luz, Ele não usa esses elementos apenas como símbolo ou como imagem. As palavras que Deus profere são expressões do plano de Deus (ou da Sua vontade, do amor ou o querer do Deus criador, neste contexto tudo tem o mesmo sentido).

Deu disse “Haja luz” e houve luz. Ele proferiu a palavra “Haja”. E com essa palavra a luz se fez. Essa palavra é o Logos de Deus, a Sabedoria de Deus, o Verbo de Deus. A imagem da vontade divina que organiza e possibilita a existência de toda a criação.

Mas, para que essa luz tenha se feito, algum “combustível”, alguma energia, alguma potência, alguma força teve que fazê-la acontecer. E tudo existe assim. Tudo tem uma força, ou, na linguagem usada pela Igreja, todo movimento tem um espírito ou é conforme um espírito. Da mesma forma que nenhum carro anda sem combustível, nós também precisamos de força, de energia, para poder agir. Tudo na criação é assim, pressupõe uma energia, uma força, uma potência que oferece condições para que algo aconteça. E isso é assim porque no sublime momento da Criação uma potência estava presente para que a palavra se realizasse. Essa força procede de Deus, é o Seu Espírito, a terceira Pessoa da SS. Trindade.

Se nós pararmos para lembrar, tudo foi criado pela Palavra. Tudo foi criado por Deus Pai, pelo Cristo e com Espírito Santo. Se nós formos parar para pensar na profundidade das realidades, podemos dizer que todo o alimento, assim como tudo que mata a sede, é, em última instância, a Palavra, pela qual tudo foi criado. O Verbo de Deus é a última instância de tudo o que existe em nossa vida e no mundo. Tudo deriva da palavra criadora que foi proferida e da ação (potência) do Santo Espírito. E a criação está aí, decaída ou não decaída, não importa está aí. Mantêm-se.

E Cristo nela permanece. E quando a plenitude dos tempos chegou, Ele apresentou-se como homem. E foi como homem que proferiu essas palavras que acabamos de ouvir. Ele, como homem, cumpriu os princípios que foram estabelecidos na natureza para todos os homens. Também teve que entregar Seu corpo a Terra e como Deus que é, ascender aos céus. Ele fez isso em Seu corpo glorioso, no corpo ressuscitado. Mas Ele prometeu que, quando viesse o Paráclito, Ele permaneceria conosco até os confins dos tempos. E Ele permanece. Hoje. Ele está aqui, misteriosamente presente, não mais em carne e osso. Ele está numa forma diferente, Ele está espiritualmente. Atualizado pelo Espírito Santo. O Seu corpo é que agora é oferecido na forma de pão e vinho misteriosamente transformados pelo Espírito.

Esse pão era um trigo que foi amassado, macerado, foi levado ao fogo, para só então ficar pronto para ser doado, entregue e consumido. A uva era uma fruta singela que foi esmagada e fermentada, elevada as últimas temperaturas da fermentação, para se transformar num vinho bom. São transformações naturais, ainda no plano do nosso entendimento, da nossa vivência. Depois, esse pão e esse vinho são, misteriosamente, transformados em carne e sangue de Cristo. Aí, já é um mistério que a nossa inteligência não alcança. Mas também não precisamos dela nesse estágio. Precisamos de outra coisa, precisamos da fé.

Todos nós que temos sede. Quando ela aperta, vamos imediatamente atrás de um copo d’água. Mesmo sem entender qual é o processo bioquímico que faz com que a sede cesse. Quando a luz elétrica pifa, a primeira coisa que fazemos é buscar uma vela, uma luz. Nós temos esse instinto de proteção de não ficar na escuridão. Nós procuramos a luz, independentemente de prévios questionamentos. Nós fazemos isso porque luz e água são necessárias ao nosso bem estar.

Mas aqueles homens, que estavam lá, caíram na armadilha da inteligência carnal. Eles questionaram que aquele homem não podia ser profeta. Eles estavam presos a regras, a princípios, a leis, a raciocínios humanos. Porque a Lei dizia que o Messias viria de Belém, da casa de Davi. Ora, aquele ali vinha da Galiléia. Mal eles sabiam que estavam arando em plena ignorância. Eles não sabiam que, na verdade, Cristo havia nascido em Belém. Tal como nós, que ignoramos como a água mata a sede.

Na hora que temos sede, nós não nos deixamos cair na armadilha do raciocínio. Nós não assumimos a postura de não beber a água antes de entender o processo pelo qual ela faz a sede cessar. A conclusão é que há um “que” de fé ao saciarmos a nossa sede. Por isso que Cristo diz “Se alguém tem sede, venha a mim” e dele “jorrarão rios de água viva”. A relação com Cristo é a mesma coisa. Tem que necessariamente ser um ato de fé. Não interessa saber se Ele é da Galileia ou se é de Belém. Ou se é profeta ou se não é. Não temos que ficar fazendo essas contabilidades e esses raciocínios. É para se investir na Fé.

Ou agente ama ou agente não ama. Ou agente quer ou agente não quer. Ou agente tem sede ou agente não tem sede. E nisso Cristo não interfere. Ele deixa que sintamos a sede que nos é natural. Mas de uma coisa se pode ter certeza, Ele mata a sede. Essa é a relação. Não há outra maneira de se relacionar com Deus que não seja assim. É preciso que nós, de certa forma, no cotidiano, nos processos da vida, sejamos um pouco pão e um pouco vinho. São os exercícios de fé.

É preciso se deixar ser macerado como o grão, amassado como a massa, para crescer, tomar forma, ser assado e virar alimento. É preciso que nos deixemos esmagar e fermentar como a uva para que viremos vinho. Isso por nossa própria decisão. Nessa dimensão da vida, nós temos o domínio necessário para tomar a decisão de buscar a ascese espiritual, a decisão de nos empenharmos no exercício das virtudes cristãs, para assim sermos imagem do pão. E ao mesmo tempo tomar a atitude, perante Deus, de se entregar, se derramar e aceitar a Fé que Ele nos convida a viver e, assim, ser imagem do vinho.

Isso é necessário. Porque se nós não formos um pouco pão e um pouco uva, não haverá comunhão alguma entre nós e a carne e o sangue que nós recebemos na Eucaristia. Para haver comunhão é preciso que haja sinergia (encontro de vontades, esse é o amor verdadeiro). Deus vem e nós vamos, para que haja um encontro. Se Deus vem e nós não vamos, o encontro não acontece. E a comunhão se torna uma mentira. No plano do humano, nós precisamos fazer esse exercício de ser pão e vinho. Mas, depois, temos que fazer o exercício da sede, que é a própria fé. É preciso a entrega. É preciso ir buscar aquilo de que se sente necessidade interior. Se não houver o exercício, nós não vamos descobrir essa sede e fome interior. Por isso são necessários os exercícios cristãos. Por isso nós nos reunimos em Igreja. Por isso rezamos. Por isso nos confessamos. Por isso jejuamos.

E, uma vez que essa necessidade seja encontrada, vamos buscar a saciedade em Cristo. Sem questionamento, sem querer entender, sem querer fazer como Lúcifer ou como Adão no Paraíso. Sem essa de querer entender primeiro para depois aceitar.

Não. Uma vez que a sede e a fome interior foram encontradas, nós estamos preparados para a comunhão. Então é só aceitar. Da mesma forma que o Criador enviou o Seu Espírito Santo sobre a Terra, através de Seu Filho, para que os Apóstolos obrassem em Igreja. O mesmo acontecerá com cada um de nós. Se nós fizermos o exercício espiritual de buscar a comunhão com Deus. De aceitar os preceitos da Igreja. De se entregar a uma vida cristã.

Depois, conscientes da própria fome e sede de Espírito, vamos saciá-la em Cristo e com Cristo. Nesse momento já não é mais a nossa vontade, já não é nossa a inteligência, já não é o nosso entendimento. É o Espírito Santo que estará nos conduzindo.

Se não fizermos isso, ficaremos como cegos na escuridão, como aqueles homens, presos ao questionamento sobre se é possível, se é verdade. “Será possível que um Profeta venha de Belém?”

Aqueles homens estavam na escuridão, discutindo se Jesus seria ou não um profeta. Enquanto, no final do Evangelho, Cristo diz: “Eu sou a Luz do mundo”.

Portanto, amados irmãos. Essa é a mensagem do Evangelho de hoje, nesse dia de Pentecostes, ela diz que nós devemos nos deixar iluminar pelo Espírito de Deus. Se nós não estivermos dispostos a nos entregar, pela fé, ao desconhecido, na esperança de que o Espírito nos conduza à Vida eterna, então, a vida nesse mundo será inútil. As nossas relações uns com os outros serão inúteis. E estarmos aqui presentes nessa Igreja também será uma inutilidade total.

É necessário que primeiro tenhamos essa pré-disposição interior (humana, psicológica, da inteligência) de querer e aceitar o que a Igreja nos chama a viver. É a partir desse momento que verdadeiramente começaremos a nos conhecer, conhecer a nossa sede interior. Aos poucos, vamos descobrir quem nós somos no plano de Deus. Então a Luz irá se fazendo em nossa vida. Descobriremos qual é a nossa imagem, qual é a nossa semelhança, qual é o nosso papel, ou seja, o que Deus quer de nós. E nós vamos saber isso através da nossa própria fome e sede. Ao tentar saciar a sede e a fome interior, estaremos sendo iluminados e conduzidos pelo Espírito até a Vida Eterna. Onde viveremos todos pela Graça de Deus que é Pai, Filho e Espírito Santo. Amém.

Arcebispo Chrisóstomo

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Jesus entre os samaritanos (Jo. 4,5-42)

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
Amados irmãos.

Quase não temos esse Deus Salvador do mundo, foi por pouco, muito pouco. Isso, é claro, se imaginarmos que a Igreja é apenas obra dos homens. Pois os Apóstolos se reuniram em Jerusalém, no chamado “Proto Concílio de Jerusalém”, para decidirem se os seguidores de Cristo necessariamente precisavam ser judeus e cumprir a antiga Lei para também seguir a Cristo. Ou se essa nova “lei”, essa Boa nova, era para todo o universo. Esses homens, quando tomaram a decisão, disseram: “Nós e o Espírito Santo decidimos...”. Até parece muita pretensão, mas a verdade é que é o Espírito que inspira e ilumina os homens que servem em Igreja. Mas de onde eles tiraram a ideia de que o Cristo veio para o mundo inteiro e não só para os Judeus, eles inventaram? Não, tiraram desse episódio que acabamos de ouvir. Esse é um dos episódios, houve outros.

Mas vejam bem, a palavra sicário, que significa traidor, vem dos habitantes dessa cidade chamada Sicar. Os judeus tinham ódio desse povo, porque ele tem origem numa das Tribos de Israel que se misturou com outras cinco tribos pagãs. Fizeram um sincretismo religioso que resultou na pratica de um ritual completamente diferente daquele que se realizava no Templo de Jerusalém. Eles eram considerados como um enclave de traidores, seres perigosos, corruptores. Cristo passa por cima disso tudo e, ainda por cima, se dirige a uma mulher. Os Apóstolos se espantaram dele estar falando com uma mulher. Outro escândalo! Um homem sozinho, em um lugar deserto, dialogando com uma mulher.

Essa mulher, nós sabemos, é a imagem de nossa alma. Ele diz: “Vai, chama teu marido e volta aqui”. Ela responde: “Não tenho marido”. Jesus treplica: “Falaste bem: ‘não tenho marido’, pois tiveste cinco maridos e o que agora tens não é teu marido”. Essa mulher fora submissa aos cinco maridos da mesma forma que nossa alma encontra-se submissa aos cinco sentidos. A nossa psique reage, julga, em função do que os nossos sentidos captam. Se nós gostamos é bom, se nós não gostamos é ruim. E assim, emocionalmente, apaixonadamente, nós nos conduzimos na vida. Quando ela diz que não tem marido, Cristo confirma “o que agora tens não é teu marido”, ou seja, não é um dos cinco sentidos. Trata-se de um outro sentido que não submete nem é submetido. A mulher unida a esse sexto sentido é a imagem da alma em plena contemplação. Ela está ali, a borda do poço, prestes a receber a Água viva, que nada mais é do que o Espírito Santo de Deus, dialogando com Cristo, em plena contemplação. É uma imagem bela, poética, bonita de um momento de oração do fiel. Um diálogo íntimo e verdadeiro com Cristo. E a comprovação de que o sexto marido é outra coisa está em que ela mesma diz que sabe que um Messias chamado Cristo virá e se revelará como o Salvador. E, nesse momento, Ele se revela: “Sou eu, que falo contigo”. É uma imagem linda.

Depois que os discípulos retornam, Ele lhes fala: “Erguei os olhos e vede os campos: estão brancos para a colheita” e “Eu vos enviei a ceifar onde não trabalhastes”. Isso para nós é muito importante, é algo que deve estar sempre diante de nossa atenção. Nós somos um povo de Reis, Profetas e Sacerdotes. O sacerdócio inaugurado por Cristo permanece no interior da Igreja com todo o povo reunido. Nós temos de continuar essa colheita. Foi dito que a seara é grande e os operários são poucos. Somos poucos sim, mas não podemos deixar de trabalhar. Temos que colher para nós o que outros semearam e continuar semeando para que outros venham e colham. Caso contrário, nós não estaremos fazendo nada. Se nós somos um povo de sacerdotes, nós não podemos egoisticamente estar na Igreja apenas pensando na salvação pessoal e romper essa cadeia da Tradição. Assim, não vamos nos salvar nunca. Nós estamos aqui porque somos o sal da terra, a luz na escuridão, o levedo da massa. Não adianta fazer discurso, não adianta convencer. Só precisamos (e devemos) é ter atitude. O que importa é o nosso comportamento e a nossa maneira de ser. Se nós não fizermos como essa mulher. Se nós não mergulharmos em nós mesmos para contemplar e dialogar com Cristo e não cumprirmos o que Ele disse: “Chegará o tempo em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e verdade”.

Tudo o que temos aqui (os ícones, o turíbulo, a liturgia, os sacramentos, a música, o incenso) são apenas alavancas. São apenas meios materiais que a nossa alma precisa para se elevar em direção a Deus. Nós ainda estamos aprisionados aos cinco sentidos. Então, nós temos que ver ícones, cheirar incenso, ouvir música e saborear o corpo e o sangue. Nós ainda temos que fazer exercício com os cinco sentidos. Mas isso é um estágio. É um momento transitório, para que um dia, com espírito puro, adoremos o Deus que é puro Espírito. Para isso, é necessário que nós vivamos como servidores de Cristo, seguindo Seu exemplo. É necessário que, como essa mulher samaritana, nós façamos o exercício de contemplação, antecedido pelo jejum e pela oração. Mas, também é necessário que nós, como um povo de sacerdotes, e a exemplo dos Apóstolos, façamos a colheita do que já está pronto para ser colhido e a semeadura do que, mais tarde, outros colherão. Se não, nós não estaremos fazendo nada. É nesse sentido que a Igreja é hospital e escola. Porque é pela Igreja (ou seja, pelos ícones, pelo incenso, pela música, pelo ritual, pela oração e pelos sacramentos) que a mensagem de Cristo, inaugurada há dois mil anos, se perpetua.

Quando Cristo diz que os Apóstolos colherão onde não semearam, Ele está falando da Lei de Moisés, dos profetas e até da cultura, do processo civilizatório. Porque, tempos atrás, quando Cristo encarnou, foi dito que os tempos estavam maduros. Antes da encarnação do Verbo, houve tempos em que a humanidade vivia numa barbárie tal que, na intenção de adorar Deus, cometia sacrifícios humanos. Foi necessário toda uma preparação da humanidade para que ela estivesse pronta para ver e conviver com o Messias prometido. É nesse sentido que Ele diz que colherão onde não plantaram. Quando Cristo vem, é a plenitude dos tempos. Depois, Ele parte para os céus. Desse momento em diante é só corrupção e decadência. Pois nesse mundo, nesse plano (e planeta) que estamos agora encerrados, todas as coisas nascem, se desenvolvem, se desgastam e fenecem. É assim com cada coisa porque no plano geral essa é a lei. No aspecto espiritual não se foge à regra, há uma correspondência entre o material e o imaterial.

A plenitude dos tempos aconteceu e agora o nosso mundo está se afastando dessa plenitude. Quanto mais o tempo passa, mais difícil espiritualmente vai ficando a vida. Há um apotegma de um Pai do deserto em que um monge interroga seu pai espiritual perguntando o que era necessário para ser salvo. E ele diz que é não comer, não dormir, orar tanto quanto respirar e cumprir os mandamentos de Deus, ou seja, o mandamento do amor. E a próxima geração? A cada nova resposta do Pai, o monge volta a perguntar pela geração seguinte. E, por último, o pai espiritual diz para o monge calar-se, concluindo, que chegará o tempo em que, para ser salvo, basta manter-se vivo. Basta manter o dom da vida em si.

Mas o Verbo tomou nossa carne. Uma Ponte ou Portal para uma nova realidade ficou estabelecido. Cristo, Filho unigênito e eterno não está limitado às leis do mundo natural, Ele transcende tudo. É por isso que: Por Ele, com Ele e n’Ele a Salvação acontece. A alma (a Samaritana) reencontrou-se com Deus nas bordas da água do poço. Belíssima imagem da Igreja e do batismo da regeneração. Qualquer um, a qualquer momento que se aproximar do Cristo ultrapassa os cinco sentidos e as leis naturais deste mundo. Essa é a utilidade da Igreja e de seus sacramentos. A Salvação é exatamente transcender os limites do mundo natural, não ficar retido na morte, e ressuscitar na Vida Eterna, santificado pelo Espírito Santo.

Nós estamos, ainda aqui, com a possibilidade de usar a nossa liberdade e optar sobre que tipo de vida nós queremos ter. E, se nós temos essa liberdade, nós temos que usa-la com consciência do que queremos. E se nós somos verdadeiramente cristãos, nós temos que seguir os passos de Cristo. E para isso temos que semear, porque o talento que nos foi dado é para ser multiplicado. Nós temos que semear através do nosso comportamento, com nossas atitudes e com o nosso ser por inteiro. Não bastam só as intenções. A carne, cuja ressurreição nós esperamos, tem de participar desse processo salvífico. Tem a nossa inteligência, tem a nossa alma nas orações, na contemplação. Tem a nossa boa vontade, mas tem que ter também o nosso comportamento, as nossas atitudes. É por isso que muitas vezes Cristo agiu, quando podia apenas estalar os dedos. Ele agiu como homem para mostrar o caminho que deveria ser seguido.

Essa atitude de Cristo, de estar diante de um poço, sozinho, conversando com uma mulher sicária, era o absurdo dos absurdos para a mentalidade judaica. Isso é para provar que nós não devemos ser ritualistas, nem achar que, porque somos cristãos ortodoxos, estamos sentados sobre a salvação. Como se por causa disso estivesse tudo feito e garantido. Não. Nosso Senhor sendo judeu não ficou restrito à Lei. Como discípulos do Cristo nós temos que ultrapassar as paredes desse templo. Nós temos que agir no mundo. Como Cristo, que ultrapassou os limites da Lei mosaica, nós temos que ultrapassar os limites desse conforto, desse útero em que estamos reunidos, e partir para o mundo para nele viver a nossa fé. Nós temos que agir no mundo. Se não, nós estamos sendo egoístas e os egoístas não são discípulos de Cristo. É isso que significa o Evangelho que foi proclamado hoje.

Se nós quisermos verdadeiramente beber a Água viva e contemplar Cristo face a face, como aquela Samaritana, nós temos que fazer como ela e como Ele, ultrapassar os limites da nossa humanidade na busca dessa verdade espiritual. Em busca desse encontro que Cristo nos prometeu. E, como Ele não nos enganaria, nós podemos confiar em Sua promessa e levarmos a nossa vida de acordo com isso. Para que nós possamos, na Vida eterna, dialogar face a face, com o Pai, com Filho e com Espírito Santo. Amém.